×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 05 de julho de 2022

Livro de Pochmann aborda abandono de projetos de país e ‘cancelamento do futuro’

Livro de Pochmann aborda abandono de projetos de país e ‘cancelamento do futuro’Foto: Márcio Pochmann é reconhecido como um dos principais economistas brasileiros - Agência Brasil

Professor e economista reflete sobre transformações truncada do país e sua reprodução de um “passado trágico”

Redação Rede Brasil Atual - Rba - 16/05/2022 - 11:05:50

Com O Neocolonialismo à espreita – Mudanças estruturais na sociedade brasileira , lançado pelo selo Sesc, o professor e economista Marcio Pochmann pretende oferecer, como diz, um “diagnóstico de época, afastando-se das urgências do nosso tempo presente”.

Concentra-se, em especial, na virada das décadas 1970 e 1980, que ele chama de “nossa grande catástrofe”.

“Esse é o ponto de não retorno, que marcaria a nova época que vivemos mais de 40 anos depois”, afirma Pochmann em live organizada pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-Unicamp), com a presença de outros pesquisadores.

Redação Rede Brasil Atual - RBA

:: O Brasil e a escassez: o que os momentos históricos de carestia nos ensinam? ::

O livro trata da transformação do país de colonial para urbano e industrial e, agora, para o mundo dos serviços, um “ingresso precário” na era digital. O autor observa uma participação passiva e subordinada do país na divisão internacional do trabalho.

Desse modo, “como mero importador de serviços digitais, o país parece cancelar o seu futuro”. Em consequência, reproduz seu passado trágico de mandonismo e clientelismo. Ou seja, um colonialismo moderno, “que se difunde crescentemente pela hegemonia do modelo primário exportador”. Uma transição ocorrida ainda que o modelo anterior não tenha sido concluído, desmontando a organização coletiva.

Concentração e dependência

Neocolonialismo à espreita destaca também momentos de avanços nas políticas públicas e redução da desigualdade da renda. Mas esbarrando em obstáculos permanentes, como a concentração da riqueza e da propriedade.

Agora, no entanto, o país volta a um cenário de dependência de produção e exportação de bens primários, aliado ao rentismo financeiro. “Dessa forma, o sentido da construção de padrão civilizatório superior encontra-se desfeito. O avanço possível concentra-se em poucos, enquanto o retrocesso observado serve a muitos”, afirma Pochmann no livro.

:: Aposta de Bolsonaro, novo pacote de incentivo à economia não é sustentável, diz Márcio Pochmann ::

“De um lado, a degradação da estrutura social herdada da industrialização fordista tem desconstituído a antiga classe trabalhadora da manufatura e significativa parcela da classe média, o que fortalece a expansão do novo precariado. De outro, a concentração de ganhos significativos de riqueza e renda em segmento minoritário da população gera um contexto social inimaginável, em que somente uma parcela contida dos brasileiros detém parcelas crescentes da riqueza”, acrescenta.

Tragédia da desigualdade

Mercado, Estado, economia e política estão “entrelaçados”, diz a professora Maria Aparecida Bridi, da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

“Na medida em que, ao descortinar as várias transições que o país teve, (constatar que) os governos não foram capazes de alterar o papel do país na divisão internacional do trabalho. Não foi capaz de superar a dependência e a subordinação e sobretudo, o que é mais trágico, a desigualdade”, afirma.

:: Helio Santos: “O dia 14 de maio de 1888 é o dia mais longo da nossa história” ::

Ela lamenta a existência de “classes dirigentes descomprometidas com um projeto de nação soberana”. Aponta as reformas que não ocorreram e poderiam levar o Brasil a outro patamar e a “opção pela desindustrialização” por governos neoliberais. Ainda que o “Estado pós neoliberal” (2003-2015, governos Lula e Dilma), em período mais recente, tenha buscado um olhar mais social.

Elias Jabbour, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), vê nova “heterodoxia”, vinda dos ano 1990, avessa ao nacionalismo e ao desenvolvimentismo. “Somos educados atualmente a odiar o Brasil”, comenta o professor, para quem é preciso enfrentar as mazelas do país “sem cair no discurso da negação da nossa história, do nosso autochicoteamento”.

Centralidade do trabalho

Economista-chefe do Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (Iree), Juliane Furno aponta uma segunda mudança estrutural. “Dentro de um país que passou por uma transição truncada e precoce para uma economia de serviços.” Mas o livro de Pochmann, acrescenta, reafirma a centralidade do trabalho. “Houve modificações e permanências”, diz, propondo uma “nova lógica de direitos sociais”, que considere essas transformações.

Muitas mudanças trazem riscos aos trabalhadores, à sociedade, à vida no planeta, à vida em família e à democracia. “E ainda à própria economia que os adeptos das reformas liberalizantes hoje dizem defender”, acrescenta a professora Magda Barros Biavaschi.

:: Novos trabalhadores autônomos ganham 30% menos do que os que já estavam no mercado ::

Pesquisadora do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, ela reflete sobre as resilientes heranças “escravocratas, patriarcais e monocultoras”. Lembra que governantes que tentaram romper esses processos foram “suicidados, maltratados pela história, destituído por golpe civil-militar, ‘impeachmados’ ou colocados na cadeia” por quase dois anos. “Será que é nosso passado autoritário que cria amarras?”, questiona.

Na apresentação de Neocolonialismo à espreita , o diretor do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda, trata de perspectivas e impedimentos. “Nessa transformação advinda da velocidade do tempo histórico, é o futuro da nação que se encontra em jogo. Então, o horizonte de possibilidades é disputado por projetos discrepantes ou, o que é mais alarmante, pela falta de um projeto.”

Confira aqui a íntegra da live , que contou também com a presença do professor Anselmo Luís dos Santos

Comentários para "Livro de Pochmann aborda abandono de projetos de país e ‘cancelamento do futuro’":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Bienal do Livro: Gabriela Albergaria conta como a natureza influencia sua obra

Bienal do Livro: Gabriela Albergaria conta como a natureza influencia sua obra

A artista também falou de memória, do esmero e importância em respeitar culturas regionais, ressaltou o valor das narrativas indígenas e a presença frutífera de tribos na conservação de territórios.

Confira a programação da Amazon na 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Confira a programação da Amazon na 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Mesas Literárias para inspirar

Confira os lançamentos dos streamings para junho e julho de 2022

Confira os lançamentos dos streamings para junho e julho de 2022

O período promete ser agitado para os fãs de séries e filmes de ação, ficção científica, terror e comédia

Diferentes técnicas mostram possibilidades da arte NFT

Diferentes técnicas mostram possibilidades da arte NFT

Apesar de a arte digital ter uma maior intimidade com a tecnologia de NFT, artistas plásticos, fotógrafos e afins também encontram espaço para vender e expor seus trabalhos por meio da tecnologia.

Museu do Pontal ajuda a preservar arte popular brasileira

Museu do Pontal ajuda a preservar arte popular brasileira

O Museu do Pontal é um espaço que revela toda a riqueza e diversidade das raízes artísticas brasileiras.

Livro traz aplicação de 150 espécies nativas da flora brasileira

Livro traz aplicação de 150 espécies nativas da flora brasileira

Série Biodiversidade está disponível gratuitamente em versão digital

Mausoléu do Patriarca da Independência será restaurado em Santos

Mausoléu do Patriarca da Independência será restaurado em Santos

O local vai ganhar uma estátua de Bonifácio, com conceito

Com menos nudez e mais debate, 'Pantanal' volta a bater recordes

Com menos nudez e mais debate, 'Pantanal' volta a bater recordes

Durante as gravações de Matí no Pantanal, poucos profissionais foram escalados de forma a evitar superestímulos na onça

Nélida Piñon doa seu acervo para Instituto Cervantes no Rio de Janeiro

Nélida Piñon doa seu acervo para Instituto Cervantes no Rio de Janeiro

Muitos dos livros têm dedicatórias de amigos escritores

Descubra quem está por trás do hit “Acorda, Pedrinho”, que viralizou no TikTok

Descubra quem está por trás do hit “Acorda, Pedrinho”, que viralizou no TikTok

Música virou sucesso na plataforma de vídeos e já foi compartilhada por grandes celebridades

Caravana do Patrimônio Cultural percorre cidades do interior

Caravana do Patrimônio Cultural percorre cidades do interior

Estreia será no dia 20 no município maranhense de Pindaré Mirim