×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 28 de maio de 2022

Bichinhos & BichõesFoto:

A doença representa entre 8 e 15% dos casos atendidos em clínicas veterinárias do Brasil

Abanar as orelhas com muita frequência, coçar com as patinhas, mau cheiro, cera de ouvido escura, demonstrar dor ao toque ou apresentar inchaço na região dos ouvidos são alguns sinais que podem indicar a presença de otite, inflamação ou infecção que acomete os pets. Causada por fungos, bactérias, alergias ou até corpos estranhos, essa é uma doença bastante desconfortável e, infelizmente, muito comum entre cães e gatos: de acordo com o Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária, a otite chega a representar de 8 a 15% dos casos atendidos em clínicas veterinárias do país. Além de comum, a otite não escolhe cor, raça ou espécie. Todos os cães e gatos podem ter otite em algum momento da vida e, se a causa da infecção não for diagnosticada e tratada adequadamente, os casos podem reincidir frequentemente.

A médica veterinária da DrogaVET, Dra. Alessandra Farias, explica que as otites podem ser classificadas como internas, médias ou externas. A otite externa é a forma mais branda da inflamação e, no geral, as principais causas estão relacionadas à limpeza incorreta, o que acaba tornando a região mais favorável para o crescimento dos fungos. Quando a lesão ocorre na região localizada depois do tímpano, trata-se de uma otite média, que costuma ser mais dolorosa e pode causar liberação de secreções ou acúmulo de líquidos nos ouvidos dos pets. Por fim, a otite interna é a mais grave, por atingir a região das principais estruturas responsáveis pela audição e equilíbrio do corpo. Independentemente do tipo de otite, Alessandra Farias alerta para a importância de consultar um médico veterinário ao notar algum indicativo da infecção, especialmente por se tratar de uma infecção multifatorial. ...Leia mais