×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 29 de novembro de 2021

Crianças e jovens com TEA lançam vídeo no Cine Brasília

Crianças e jovens com TEA lançam vídeo no Cine BrasíliaFoto: Reprodução

A música cantada no vídeo, música From now on, fala sobre o desenvolvimento do potencial de pessoas autistas

Lívio Di Araújo, Da Agência Brasília | Edição: Chico Neto - 22/11/2021 - 10:34:35

Apresentação dos jovens atendidos pelo Instituto Steinkopf pode ser visto no YouTube

Na tela do Cine Brasília, a atração do fim da tarde de domingo (21) foi um vídeo estrelado por dezenas de pessoas com transtorno do espectro autista (TEA) e seus familiares. Nas cadeiras, olhares atentos a cada detalhe e muita emoção. A cada aparição no vídeo, palmas e assobios. Este foi o clima do lançamento do vídeo Uma Sinfonia Diferente , um projeto do Instituto Steinkopf.

“Pessoas com autismo têm dificuldade de socialização; e, com a musicoterapia, conseguimos desenvolver diversas habilidades” Ana Carolina Steinkopf, coordenadora do Instituto Steinkopf

“Esse trabalho leva a pessoa com autismo para o protagonismo, e o mais importante: tem a possibilidade de mostrar ao mundo que o autismo não é uma doença, como muita gente ainda pensa que é”, destacou o vice-governador Paco Britto, que, representando o governador Ibaneis Rocha, participou do evento.

Coordenado por Ana Carolina Steinkopf, o instituto desenvolve trabalhos que envolvem pessoas com TEA para promover o estudo e desenvolvimento de habilidades e competências delas. São projetos e iniciativas que valorizam e despertam o potencial das pessoas com autismo, envolvendo no processo de desenvolvimento a família de cada paciente – parte crucial de qualquer processo de aprendizagem.

Estímulo

“Todos nós tivemos que nos reinventar com a pandemia, e aqui não foi diferente” Paco Britto, vice-governador

Entre os projetos está o Uma Sinfonia Diferente, programa musical criado para promover o protagonismo de pessoas com autismo por meio do desenvolvimento de um espetáculo musical estrelado por elas. “Este é o nosso primeiro evento pós-pandemia e é um motivo de muita emoção e alegria”, avaliou Ana Carolina. “Foi um enorme desafio. Pessoas com autismo têm dificuldade de socialização; e, com a musicoterapia, conseguimos desenvolver diversas habilidades”.

Desde a criação do Instituto Steinkopf, em 2015, cerca de 2 mil crianças com autismo foram atendidas pelo programa e mais de 30 apresentações musicais foram realizadas em Brasília. Com a pandemia, o modelo foi modificado e, neste ano, não houve espetáculo final, mas um clipe, onde todos tiveram a oportunidade de apresentar suas habilidades e potencialidades.

Leia também

Uma tarde especial leva alegria a 50 crianças autistas

“Esse evento tem um significado muito especial – o de superação”, disse Paco Britto. “Todos nós tivemos que nos reinventar com a pandemia, e aqui não foi diferente”. Ana Carolina reforçou: “A música From now on [do vídeo Uma Sinfonia Diferente ] fala sobre o nosso retorno para casa e sobre o nosso desejo de continuar desenvolvendo e apresentando os potenciais das pessoas com autismo para o mundo. De agora em diante, tudo vai ser diferente”.

Assista aqui ao vídeo, do qual participam 27 pessoas atendidas pelo projeto atualmente.

Comentários para "Crianças e jovens com TEA lançam vídeo no Cine Brasília":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Menina tem as tranças cortadas por colega em escola de Santa Catarina

Menina tem as tranças cortadas por colega em escola de Santa Catarina

A polícia encara o caso, denunciado no último dia 16 de novembro, como ato infracional análogo ao crime de injúria racial. O episódio ocorreu no dia 3 de novembro.

O racismo joga em todas posições no futebol

O racismo joga em todas posições no futebol

Na semana passada, Adriana, do time feminino do Corinthians, foi vítima de racismo por uma jogadora do Nacional de Montevidéu e recebeu, ainda em campo, a solidariedade das colegas

Aprenda para nunca mais dizer: 3 frases que parecem ingênuas, mas alimentam o racismo

Aprenda para nunca mais dizer: 3 frases que parecem ingênuas, mas alimentam o racismo

O Dia da Consciência Negra é uma tentativa de, ao menos uma vez no ano, estimular um debate sobre as desigualdades e celebrar a contribuição do povo negro para a cultura, a ciência, a economia e a política do Brasil

Juízes fazem caminhada contra o racismo e a desigualdade

Juízes fazem caminhada contra o racismo e a desigualdade

Evento foi organizado pela Associação dos Magistrados Brasileiros

Senado aprova projeto que classifica injúria racial como racismo; texto segue para a Câmara

Senado aprova projeto que classifica injúria racial como racismo; texto segue para a Câmara

O projeto retira a menção à raça e etnia do item específico do Código Penal (art. 140) e insere novo artigo na Lei de Crimes Raciais, definindo pena de multa e prisão de dois a cinco anos

20 de novembro: Negue a brancura da consciência

20 de novembro: Negue a brancura da consciência

Ao internalizar o racismo mutilamos os nossos sonhos, não vivemos em plenitude, submetemo-nos às humilhações dos brancos e reproduzimos o racismo contra outros negros

MPDFT promove curso voltado à qualificação no atendimento à população LGBTQIA+

MPDFT promove curso voltado à qualificação no atendimento à população LGBTQIA+

O curso tem como objetivo aprimorar o atendimento prestado às pessoas LGBTQIA+, tornando-o mais humanizado.

A imprescritibilidade do crime de injúria racial

A imprescritibilidade do crime de injúria racial

Ao fazê-lo, arrostou a crença de que a ação danosa embora fosse perpetrada com a utilização do elemento raça, não consistia em discriminação sistemática apta a ser alçada como modo de reprodução do racismo.

Racismo estrutural leva à maior mortalidade materna entre mulheres negras, aponta pesquisadora

Racismo estrutural leva à maior mortalidade materna entre mulheres negras, aponta pesquisadora

A mortalidade materna, de maneira geral, é um evento evitável

Feminejo, gordofobia e machismo: Debates tomam as redes após morte da cantora Marília Mendonça

Feminejo, gordofobia e machismo: Debates tomam as redes após morte da cantora Marília Mendonça

A cantora goiana abriu a porta para outras mulheres dentro do masculino universo do sertanejo

‘Esse acolhimento e incentivo nunca foram oferecidos ao servidor do DF’

‘Esse acolhimento e incentivo nunca foram oferecidos ao servidor do DF’

Secretária executiva Adriana Faria anuncia berçário, refeitório e ações itinerantes de saúde pensadas para o funcionalismo