×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 03 de julho de 2022

Alerta: Os riscos psicológicos da adultização da infância

Alerta: Os riscos psicológicos da adultização da infânciaFoto: Reprodução Pixabay gratuita

Psicanalista alerta que esse comportamento pode ocasionar encurtamento da infância e sexualização precoce

Por Dra. Andréa Ladislau / Psicanalista - 21/06/2022 - 18:45:55

Algumas brincadeiras ditas como inocentes, nem sempre são tão inocentes assim. Comprova-se isso quando pensamos em nossas crianças e em insinuações do tipo: “Que lindos!!! São namoradinhos”. Típicas brincadeiras que fomentam a “adultização” de nossos pequenos.

Isto porque a infância é conhecida como o período da inocência e quando crianças não compreendemos o mundo a nossa volta como os adultos, pois estamos em fases distintas, cognitivamente falando.


Portanto, existe uma sensibilização enorme no que diz respeito a promover a aceleração destes estágios de desenvolvimento.


A infância necessita de um olhar um pouco mais cuidadoso, mas às vezes, ao lidarmos com nossas próprias crianças esquecemos de que um dia vivenciamos aquele período e acabamos por projetar nelas comportamentos nossos, de adultos. Um desses comportamentos é o namoro, algo intrinsicamente adulto que atribuímos a criança como se fosse algo normal.


Mas vamos pensar juntos, qual o maior problema disso? A grande questão é que o desenvolvimento é pautado por etapas, cada etapa possui o seu nível de importância para um desenvolvimento saudável.


E quando atribuímos a uma criança o ato de namorar, estamos precocemente “adultizando” uma fase que não deveria ser “adultizada”.


O resultado é que, quando uma criança fala que namora, ela imita um comportamento que vê em casa ou na sociedade a sua volta, sem compreender o que aquele comportamento significa. O perigo encontrado ao incentivar o namoro de crianças é o encurtamento da infância e a sexualização precoce. Esse encurtamento acontece quando se leva ao universo infantil um conteúdo (o namoro) que pertence ao universo do adolescente e do adulto.

Ou seja, assim como os marcos do desenvolvimento infantil e outras diversas situações do universo das crianças, não existe nenhum manual ou regra que determine qual a idade certa para começar a namorar. No entanto, não devemos romantizar o crescimento precoce.


A compreensão do sentimento amoroso e do desejo sexual é algo do mundo adulto, pois, por mais que a sexualidade esteja presente desde o nascimento, a criança ainda não entende sua complexidade. Ela busca o outro pelo desejo de contato humano, e olhar isso através da ótica da erotização.

É algo provocado pelos adultos e que as empurra para um tipo de interação para qual ainda não estão preparadas e que pode lhes causar muita angústia.


Mas e se a criança um dia chegar em casa dizendo que têm um namoradinho, o que fazer? Nosso papel como pais, responsáveis e educadores é explicar que namoro é coisa de adulto e que as crianças possuem amigos e colegas. Lembre-se que a criança não tem maturidade para compreender o que significa namoro e por isso não deve ser estimulada a tanto.


É importante que ela receba a orientação de que, certas coisas, só poderá fazer quando “crescer”. Respeitando suas etapas e períodos de crescimento.


Portanto, apesar de termos evidências de que a erotização da infância acontece hoje com uma naturalidade assustadora, não podemos nos omitir ao dever de educar e orientar a criança, abominando atos que possam roubar a inocência.

Afinal, criança feliz é aquela que vive a infância sendo criança e que completa em sua plenitude, todas as etapas de seu desenvolvimento infantil.


Dra. Andréa Ladislau / Psicanalista

Comentários para "Alerta: Os riscos psicológicos da adultização da infância":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Saiba o que é inflação e os fatores que contribuem para o seu aumento

Saiba o que é inflação e os fatores que contribuem para o seu aumento

Para falar sobre o assunto, entrevistamos Ana Giorgina, economista e supervisora técnica do Dieese na Bahia

Família conta a experiência de adotar irmãos adolescentes

Família conta a experiência de adotar irmãos adolescentes

Juntos há 18 anos, Erivaldo e João resolveram ampliar o núcleo familiar.

Documentário alerta adolescentes sobre os riscos do cigarro eletrônico

Documentário alerta adolescentes sobre os riscos do cigarro eletrônico

Exibição do filme nesta terça-feira (28), no Creas Estrutural

A cada hora, 3 brasileiros sofrem amputação de pernas ou pés

A cada hora, 3 brasileiros sofrem amputação de pernas ou pés

O diabetes é uma das principais causas da amputação de membro inferior

Cuidado: A automedicação pode levar à morte

Cuidado: A automedicação pode levar à morte

Dr. Gustavo Eder Sales explica os riscos de se automedicar por meio de pesquisas na internet

14 dúvidas comuns sobre maconha medicinal

14 dúvidas comuns sobre maconha medicinal

A médica Jessica Durand esclarece as dúvidas mais frequentes dos pacientes sobre maconha medicinal

Lapsos de memória podem não significar doença mental, diz a psiquiatra Danielle H. Admoni

Lapsos de memória podem não significar doença mental, diz a psiquiatra Danielle H. Admoni

Situações de estresse aumentam chances de "efeito porta"

Brasil Trading Fitness Fair se transforma e vira plataforma de oportunidades

Brasil Trading Fitness Fair se transforma e vira plataforma de oportunidades

Em 2019, a BTFF reuniu mais de 70 mil visitantes, gerando R$ 80 milhões em negócios

Projeto leva saúde oftalmológica e atendimento psicossocial a jovens da rede pública

Projeto leva saúde oftalmológica e atendimento psicossocial a jovens da rede pública

A previsão é de que, pelo menos, 20 escolas, e 15 mil alunos serão beneficiadas pelo Ver Melhor Educa + até o final do projeto.

Tabus da saúde masculina são desafio contra a automedicação

Tabus da saúde masculina são desafio contra a automedicação

No combate à automedicação, o diagnóstico e acompanhamento médico por meio de plataforma digital é uma opção para garantir o acesso a tratamentos cientificamente comprovados para doenças masculinas

Se já testei positivo para Covid-19 posso doar sangue?

Se já testei positivo para Covid-19 posso doar sangue?

Quem adquiriu covid-19 sintomática, mesmo que leve, deve esperar 10 dias após a plena recuperação de todos os sintomas para poder realizar a doação de sangue