×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 29 de novembro de 2021

1 bilhão vão sofrer calor extremo se temperatura aumentar 2°C

1 bilhão vão sofrer calor extremo se temperatura aumentar 2°CFoto: Arquivo/Fernando Frazão/Agência Brasil

Alerta é feito por especialistas que participam da conferência

Por Rtp - Glasgow (escócia - Agência Brasil - 09/11/2021 - 08:50:32

Pelo menos 1 bilhão de pessoas serão afetadas pelo calor extremo se as temperaturas globais aumentarem 2ºC, alertaram os especialistas na Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP26). Se não formos capazes de evitar que o aquecimento do planeta exceda os 1,5ºC, o número de pessoas que serão expostas a estresse térmico extremo – uma combinação potencialmente fatal de calor e umidade – pode aumentar até 15 vezes, comparativamente aos dias de hoje.

"O número de pessoas que vivem em áreas afetadas por estresse térmico extremo aumenta de 68 milhões hoje para cerca de 1 bilhão", diz estudo publicado no Met Office e divulgado na COP26.

O principal objetivo da cúpula climática, que ocorre em Glasgow, no Reino Unido, é conseguir limitar o aquecimento global a 1,5ºC, mas os delegados têm advertido de que "há muito trabalho" ainda a ser feito para alcançar essa meta.

Um aumento de 4ºC, alerta ainda o estudo, "pode fazer com que quase metade da população mundial viva em áreas potencialmente afetadas".

O estresse térmico é definido como uma temperatura global do chamado bulbo úmido (padrão internacional para medir o estresse de calor a que as pessoas são sujeitas) acima dos 32ºC, uma medida que avalia a combinação de fatores como a temperatura, a umidade, a velocidade do vento e a radiação solar. Quando essa medida atinge os 35ºC, o corpo humano não consegue arrefecer com o suor e até as pessoas saudáveis que estejam à sombra podem morrer em apenas seis horas.

Nessas condições, as pessoas sujeitas a esse estresse térmico extremo podem sofrer com exaustão pelo calor e com sintomas que incluem sudorese intensa e pulso acelerado, o que por sua vez pode sobrecarregar o coração e outros órgãos, levando à falência do organismo.

"Acima desse nível, as pessoas passam a estar em risco extremo. Os membros vulneráveis da população e quem tiver trabalhos físicos ao ar livre corre maior risco de efeitos adversos à saúde. Atualmente, a métrica é usada em vários locais, como regiões da Índia, mas a nossa análise mostra que com um aumento de 4ºC, o risco de calor extremo pode afetar pessoas em grandes áreas da maioria dos continentes do mundo", explicou no documento Andy Hartley, líder de Impactos Climáticos do Met Office.

O calor é o impacto mais óbvio do aquecimento global, estando o calor extremo em várias regiões do mundo a triplicar nas últimas décadas. No verão de 2020, mais de um quarto da população dos Estados Unidos, por exemplo, sofreram os efeitos do calor extremo, com sintomas que incluíam náuseas e cólicas. Pelo menos 166 mil pessoas morreram devido a ondas de calor nas duas décadas até 2017, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

O estudo do Met Office baseou-se na pesquisa do projeto Helix, financiado pela União Europeia, que também mapeia os riscos crescentes de inundações, incêndios florestais, secas e insegurança alimentar. De acordo com essa análise, praticamente todo o mundo habitado é afetado por, pelo menos, um desses impactos.

"A nova análise combinada mostra a urgência de limitar o aquecimento global bem abaixo dos 2°C. Quanto maior for o aquecimento, mais graves e generalizados são os riscos para a vida das pessoas. Mas ainda é possível evitar esses riscos mais elevados se agirmos agora", afirmou Richard Betts, MBE da Universidade de Exeter e do Met Office, que liderou o projeto Helix.

Os países tropicais, incluindo o Brasil, a Etiópia e a Índia, são os mais atingidos pelo estresse extremo de calor, com algumas regiões atingindo temperaturas para lá do limite da capacidade humana. Albert Klein Tank, diretor do Met Office Hadley Center, alertou que essa pesquisa demonstra que são várias as regiões do mundo onde se prevê que ocorram os impactos mais graves.

"No entanto, espera-se que todas as regiões do mundo - incluindo o Reino Unido e a Europa - sofram impactos contínuos das mudanças climáticas", acrescentou.

Qualquer um desses impactos climáticos, afirmou Andy Wiltshire, chefe do Sistema Terrestre e Ciência da Mitigação, "apresenta uma visão assustadora do futuro". Mas, as alterações climáticas "severas causarão muitos impactos, e os nossos mapas mostram que algumas regiões vão ser afetadas por vários fatores".

Por isso, segundo ele, é urgente que sejam reduzidas rapidamente as emissões poluentes. "Se quisermos evitar as piores consequências das alterações climáticas não mitigadas".

Comentários para "1 bilhão vão sofrer calor extremo se temperatura aumentar 2°C":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Aumento de pessoas no mar pode explicar mais ocorrências com tubarões

Aumento de pessoas no mar pode explicar mais ocorrências com tubarões

Se acidentes são ocasionais não é preciso fechar praias, diz professor

FAO lança ferramenta que ajuda a reverter perda florestal e combater mudanças climáticas

FAO lança ferramenta que ajuda a reverter perda florestal e combater mudanças climáticas

Mulher vende batatas no Peru.

Desmatamento na Amazônia passa de 13 mil km² entre agosto de 2020 e julho de 2021

Desmatamento na Amazônia passa de 13 mil km² entre agosto de 2020 e julho de 2021

Queimada na Amazônia durante última semana de julho, mesmo com moratória do fogo no bioma.

Petrobras e BNDES vão ampliar investimentos em restauração florestal

Petrobras e BNDES vão ampliar investimentos em restauração florestal

Anúncio foi feito durante a COP26, em Glasgow

Brasileiros apresentam na COP26 agenda com caminhos inovadores para a Amazônia

Brasileiros apresentam na COP26 agenda com caminhos inovadores para a Amazônia

Izabella Teixeira em frente à exposição sobre a Amazônia, de Sebastião Salgado, na COP26

Na COP26, Rio de Janeiro promete, cobertura de Mata Atlântica em 40% do estado em 2050

Na COP26, Rio de Janeiro promete, cobertura de Mata Atlântica em 40% do estado em 2050

Além de apresentar resultados e compromissos no combate às mudanças climáticas, o estado convidará participantes de todo o mundo para a Rio+30, evento que celebrará, em 2022, os 30 anos da realização da Eco92.

COP26: Brasil, Estados Unidos e China não assinam acordo para zerar energia à base de carvão

COP26: Brasil, Estados Unidos e China não assinam acordo para zerar energia à base de carvão

Lideranças indígenas, como a cacica Juma Xipaya, criticam hidrelétricas na Amazônia

A região que mais exige certificados ambientais no Brasil

A região que mais exige certificados ambientais no Brasil

Pesquisa CNI/FSB descobriu quais regiões mais respeitam a disseminação de boas práticas na cadeia produtiva

Desmatamento amazônico: Analista não vê soluções regionais ou globais 'sem o Brasil sentado à mesa'

Desmatamento amazônico: Analista não vê soluções regionais ou globais 'sem o Brasil sentado à mesa'

Ante o anúncio pelos EUA que criaria em breve uma parceria regional contra o desmatamento na Amazônia, a Sputnik Brasil ouviu a opinião de um especialista quanto à iniciativa e ao papel do Brasil no assunto

Você conhece os ODSs dos seus NDCs? Como digerir a sopa de letras da COP26

Você conhece os ODSs dos seus NDCs? Como digerir a sopa de letras da COP26

Existem 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ou ODSs, interligados

Dez florestas protegidas liberam mais carbono do que absorvem

Dez florestas protegidas liberam mais carbono do que absorvem

Relatório foi divulgado pela Unesco