×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de janeiro de 2022

Moro diz que eleger Lula ou Bolsonaro 'é suicídio' e que será candidato para dar fim à 'polarização'

Moro diz que eleger Lula ou Bolsonaro 'é suicídio' e que será candidato para dar fim à 'polarização'Foto: © Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Segundo o presidenciável pelo Podemos, sua candidatura auxiliará a polarização política que tem

Agência Sputnik De Noticias - 14/01/2022 - 18:24:27

Nesta sexta-feira (14), o ex-ministro da Justiça e presidenciável, Sergio Moro (Podemos), concedeu uma longa entrevista à revista Veja, na qual fez uma série de declarações em torno do atual presidente e ex-parceiro político, Jair Bolsonaro (PL), e o ex-presidente Lula.

Na interpretação de Moro para as eleições, Bolsonaro é seu principal adversário no primeiro turno e ao comentar sobre seu tempo como ministro no atual governo, o ex-juiz diz que a corrupção nunca foi combatida e que a intenção do mandatário "era se blinda

"O presidente mente ao falar que acabou a corrupção. Ele não queria combater nada. Queria apenas se blindar, ficar longe do alcance da Justiça. Ele me disse que eu tinha de sair do governo porque não aceitava protegê-lo de investigações", declarou.

Já sobre Lula, Moro acredita que sua volta ao poder seria "um tapa na cara do brasileiro", uma vez que diz à sociedade "que pode roubar à vontade".

"O governo do PT foi baseado em modelos de corrupção. O retorno de Lula ao poder depois dos escândalos do mensalão e do petrolão seria um tapa na cara de todos os brasileiros. Seria dar aval à roubalheira, dizer à sociedade que se pode roubar à vontade."

Ainda sobre o Partido dos Trabalhadores, Moro acredita que "um novo governo petista será desastroso" ao mesmo tempo, a atual gestão "é inconfiável".

"O mercado está se enganando se realmente acredita no Lula bonzinho do primeiro mandato. É uma ilusão. Um novo governo petista será desastroso. E do outro lado você tem um governo errático, irracional e inconfiável, que enganou os eleitores ao prometer e não realizar as reformas de que o país precisa."

Sobre sua candidatura, o ex-ministro diz que entrou na corrida presidencial para "romper essa polarização, que tem transformado os brasileiros e dividido as pessoas entre amigos e inimigos", e que se eleito "combater a corrupção é prioritário. As grandes operações policiais serão retomadas, garantindo independência e autonomia à Polícia Federal e ao Ministério Público [...]".

O ex-juiz avalia que sua candidatura é a mais viável da terceira via e disse que não pretende abrir mão dela "em prol de alguém que tem 1%, 2% ou 3%", fazendo um comentário indireto sobre o governador de São Paulo, João Doria, pré-candidato pelo PSDB.

Indagado pela mídia sobre em quem votaria em um cenário hipotético de segundo turno entre Lula e Bolsonaro, Moro respondeu que " o Brasil não corre o risco de ter essa escolha trágica. Eleger Lula ou Bolsonaro é suicídio ".

De acordo com a pesquisa conjunta entre a revista Exame e o Instituto Ideia publicada ontem (13), se as eleições fossem hoje (14), Lula teria 41% das intenções de voto, seguido por Bolsonaro, com 24%, Moro com 11%, o ex-governador Ciro Gomes (PDT) com 7% e Doria (PSDB) com 4%.

Comentários para "Moro diz que eleger Lula ou Bolsonaro 'é suicídio' e que será candidato para dar fim à 'polarização'":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Servidores x Governo Bolsonaro

Servidores x Governo Bolsonaro

Deputado Hugo Leal (PSD - RJ), relator-geral do Orçamento

Diretor de 'Não Olhe para Cima' revela 'papel' de Bolsonaro no filme

Diretor de 'Não Olhe para Cima' revela 'papel' de Bolsonaro no filme

Para cientistas ouvidos pelo Estadão,

Com Barra Torres, Marinha acumula desgastes no governo Bolsonaro

Com Barra Torres, Marinha acumula desgastes no governo Bolsonaro

Ele é um dos poucos médicos da instituição a chegar ao quadro de oficiais-generais, com duas estrelas, o terceiro mais alto na hierarquia militar. O diretor da Anvisa afirmou que foi apenas uma questão metodológica, formal.

‘O denuncismo é muito danoso à vida brasileira’, diz Eduardo Azeredo

‘O denuncismo é muito danoso à vida brasileira’, diz Eduardo Azeredo

O ex-governador reforça a avaliação de que sua condenação a 20 anos de prisão serviu como um “contraponto” ao mensalão do PT e se diz vítima de um “denuncismo” muito “danoso à vida brasileira”

Pré-Bolsonaro, obra de d’Ávila aponta rumos ao Brasil de hoje

Pré-Bolsonaro, obra de d’Ávila aponta rumos ao Brasil de hoje

Fundador do Centro de Liderança Pública (CLP), grupo interessado em promover boas práticas de gestão, o presidenciável divide a obra em três partes

Bolsonaro libera destruição de cavernas e pode agravar risco de pandemias

Bolsonaro libera destruição de cavernas e pode agravar risco de pandemias

Bolsonaro e ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, assinam decreto que retira a proteção das cavernas mais importantes do país. Acima, foto da posse do ministro. Foto: Marcos Corrêa/PR

'Ministro da saúde não é despachante de decisão de Anvisa', diz Queiroga

'Ministro da saúde não é despachante de decisão de Anvisa', diz Queiroga

"A história vai julgar, vai me julgar. Eu trabalho todos os dias para que eu tenha um bom julgamento da história", disse. "Eu faço o melhor que eu posso."

Associação repudia ameaça de Bolsonaro a prefeituras e estados que adotarem medidas restritivas

Associação repudia ameaça de Bolsonaro a prefeituras e estados que adotarem medidas restritivas

Bolsonaro voltou a ameaçar estados e municípios que adotarem medidas restritivas para conter aumento da covid-19

Programa de habitação para policiais não decola e é criticado por entidades

Programa de habitação para policiais não decola e é criticado por entidades

O déficit habitacional no público-alvo é de mais de 150 mil moradias.

Arthur do Val: 'São Paulo é o Estado que mais rejeita Lula e Bolsonaro'

Arthur do Val: 'São Paulo é o Estado que mais rejeita Lula e Bolsonaro'

Leia os principais trechos da entrevista

Flavia Arruda é afastada do governo para tratar de 'assuntos particulares'

Flavia Arruda é afastada do governo para tratar de 'assuntos particulares'

A ministra começou o ano fazendo viagens pela pasta. Na semana passada, foi escalada pelo chefe do Executivo para visitar cidades atingidas pela chuva em Minas Gerais e auxiliar a viabilização de recursos para os municípios afetados