×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de maio de 2022

SP autoriza concessão dos parques Água Branca, Villa-Lobos e Cândido Portinari

SP autoriza concessão dos parques Água Branca, Villa-Lobos e Cândido PortinariFoto: Sec Infraestrutura e Meio Ambiente de SP

A concessão é para a administração dos três parques - não haverá licitação individual para cada equipamento. O prazo das concessões será de 30 anos, com direito à prorrogação deste período.

Estadão Conteúdo - 29/12/2021 - 17:47:20

Dois anos depois de a Prefeitura ter feito à iniciativa privada a concessão do Ibirapuera, o governo do Estado inicia nesta semana o processo de concessão de outras três áreas importantes da cidade: os parques Villa-Lobos, Cândido Portinari e da Água Branca. A previsão é que as propostas sejam conhecidas no início de abril do próximo ano. A expectativa é que as concessões resultem em um investimento mínimo de quase R$ 62 milhões.


O edital deve ser divulgado nesta quinta-feira, 30 - o texto que autoriza a concessão já foi publicado no Diário Oficial. A licitação será realizada na modalidade concorrência, de âmbito internacional. Entre setembro e novembro, a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente promoveu audiências públicas sobre o tema.


O objetivo do governo é que as concessões resultem em um investimento mínimo de R$ 61,6 milhões, dos quais R$ 46,9 milhões nos seis primeiros anos de concessão. Com tudo que envolve a gestão e a manutenção dos parques, esse investimento pode chegar à casa dos R$ 90 milhões.


A concessão é para a administração dos três parques - não haverá licitação individual para cada equipamento. O prazo das concessões será de 30 anos, com direito à prorrogação deste período.


Em linhas gerais, os serviços de limpeza, conservação e vigilância ficarão a cargo da concessionária vencedora. Além disso, um processo de revitalização e construção de novos equipamentos dentro dos parques, como restaurantes, cafés e teatros também será iniciado. Não haverá cobrança de ingresso nos parques privatizados.


"O primeiro objetivo deste programa global de concessão é desonerar o Estado daquilo que não é o básico, que é cuidar da saúde, da educação, do transporte e da assistência social. Com a entrada da iniciativa privada, buscamos novos investimentos na manutenção, na vigilância e nos parques como um todo, sendo também um importante fator na geração de empregos", disse ao Estadão o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.


Penido ressaltou que "concessão não é venda". "Depois do período de concessão, o Estado se apropria destes investimentos realizados", afirmou. "Com a expertise de concessionárias que são do setor, vamos ter parques melhores e mais bem cuidados. E o mais importante: não existe nenhuma hipótese de cobrança de ingressos para a entrada nos parques", completou.



Sem cobranças

O secretário também fez uma diferenciação em relação à polêmica do Parque do Ibirapuera, que pretende cobrar de empresas e treinadores que utilizam o espaço do parque para aulas de prática esportiva. "Você vai poder ir ao parque com o seu personal trainer e correr e se exercitar sem nenhuma taxa. No caso do uso comercial por empresas, é possível que existam questões pontuais que devem ser discutidas, mas em nenhuma hipótese haverá cobrança de ingresso para o cidadão frequentar os parques", garantiu Penido.


A contrapartida das concessionárias estará, segundo Penido, na locação de espaços e na arrecadação com exploração comercial - que já existem nos restaurantes e lanchonetes dos parques. Sobre a exposição de marcas e publicidade, ela pode acontecer desde que não ultrapasse limites da própria Lei da Cidade Limpa.


Os parques

O parque da Água Branca, na Barra Funda, recebe quase 3 milhões de visitantes por ano, em uma área de aproximadamente 136 mil m² e 70 edificações. De acordo com Penido, a concessão deve respeitar as características do local - o que significa a manutenção e os cuidados com os animais. Além disso, a ideia é dar continuidade às atividades para a terceira idade e à feira de orgânicos.



Para o secretário, o manejo do plantel do parque da Água Branca (patos, galinhas, gansos) é uma garantia fundamental que será exigida da futura concessionária. A empresa deve contar com equipes de veterinários, de nutrição e com toda expertise em animais. Será exigida também a melhoria do galpão utilizado por grupos da terceira idade (além de um incremento na programação).



Já os parques Cândido Portinari e Villa Lobos, na zona oeste, são vizinhos e juntos recebem mais de 11 milhões de visitantes por ano (número anterior à pandemia). A área dos dois equipamentos é de 850 mil m² e 33 edificações. A concessão deve contemplar revitalização e a implementação de atividades de cultura e lazer.



"Estará previsto no edital um investimento no viário externo para melhorar a questão do acesso ao parque. Além disso, queremos uma melhoria na oferta de restaurantes e lanchonetes", disse Penido. O secretário acredita na criação de novas alternativas de lazer dentro dos parques. Hoje, alguns espaços, como a pista de skate, já são patrocinados. A concessionária precisará respeitar esses contratos até o fim de suas vigências. "Não se rasga contrato em São Paulo", falou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



fonte: Estadão Conteudo




Comentários para "SP autoriza concessão dos parques Água Branca, Villa-Lobos e Cândido Portinari":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Livro de Pochmann aborda abandono de projetos de país e ‘cancelamento do futuro’

Livro de Pochmann aborda abandono de projetos de país e ‘cancelamento do futuro’

Professor e economista reflete sobre transformações truncada do país e sua reprodução de um “passado trágico”

Aprenda a sentir medo sem ser controlado por ele

Aprenda a sentir medo sem ser controlado por ele

Livro do escritor e ativista Gareth Higgins chega ao Brasil pela Latitude, selo da VR Editora

10 artistas que emplacaram apenas uma música de sucesso

10 artistas que emplacaram apenas uma música de sucesso

Ter uma carreira estável na música é bastante difícil, e esses artistas, infelizmente, não conseguiram manter o sucesso com novos trabalhos

Relançamento da coletânea 'Exílios e Poeiras' traz obra menos conhecida de Joyce

Relançamento da coletânea 'Exílios e Poeiras' traz obra menos conhecida de Joyce

Há notas melancólicas também nos 36 poemas que Joyce publicou em seu primeiro livro

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Trata-se de uma obra fundamental para conhecer aspectos da vida e obra de Silva raramente explorados em outras publicações.

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

No texto, o magistrado do TJDFT trata da abordagem do New Public Service, no âmbito dos estudos ligados à Administração

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Livro recém-lançado pela Editora MOL em parceria com a Tip Top reúne relatos de mulheres sobre os desafios reais que chegam com a vida de mãe, como as mudanças no corpo e os julgamentos externos

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Texto de autoria da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) calcula que medida alcançaria 4.176 municípios brasileiros

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

A última versão digitalizada do filme é de 2002 e tem qualidade inferior à atual

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

“Quando escrevo, é para me lembrar da esperança que eu mesma sei que tenho”, diz Nathália Ferreira

Eu acredito no livro!

Eu acredito no livro!

Numa necessidade rápida, até podemos contar com um trago de águas quase podres, mas para a vida, para beber água viva, o livro é o único lugar onde nos encontraremos com a civilização, com o melhor dela