×
ContextoExato

Estado é cúmplice do avanço do agrotóxico, diz relatório sobre Brasil e mais 7 países

Estado é cúmplice do avanço do agrotóxico, diz relatório sobre Brasil e mais 7 paísesFoto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Material produzido pela organização Fian Brasil foi divulgado nesta terça-feira (27), com a presença de relator da ONU

Por Daniel Giovanaz - Brasil De Fato - 28/04/2021 - 16:25:59

Os Estados são cúmplices da expansão do uso de agrotóxicos, que causam danos ao meio ambiente, aos trabalhadores e consumidores.

Essa é uma das conclusões do relatório Agrotóxicos na América Latina: Violações Contra o Direito à Alimentação e à Nutrição Adequadas , que se debruçou sobre o tema em oito países do continente – Brasil, Colômbia, Equador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Paraguai.

O material, com 108 páginas, foi lançado nesta terça-feira (27) pela Fian Brasil, organização pelo direito humano à alimentação e à nutrição adequadas.

O evento de lançamento, transmitido ao vivo pela internet, reuniu pesquisadores que colaboraram para a produção do relatório e teve entre os participantes Marcos Orellana, relator especial das Nações Unidas sobre substâncias tóxicas e perigosas.

“Estamos vivendo, assim como uma crise climática, uma crise tóxica, que não recebe a devida atenção”, disse Orellana, enaltecendo a importância do material.

Para o relator especial das Nações Unidas, o cenário apresentado configura uma “tremenda injustiça ambiental”, e “a imposição dos riscos e impactos aos grupos vulneráveis é manifesta.”

Orellana chamou atenção ainda para a “ausência de um instrumento global que faça frente ao avanço dos agrotóxicos perigosos”.

“A defesa do direito à alimentação torna-se um escudo moral diante dessa ameaça”, afirmou. “Não é só o direito de não passar fome, mas o direito a um sistema alimentar adequado, sustentável.”

O conceito de DHANA

O primeiro capítulo da publicação explica o conceito de Direito Humano a uma Alimentação e Nutrição Adequadas (DHANA) e detalha como o uso indiscriminado de agrotóxicos viola esse direito na América Latina.

O conceito de DHANA é apresentado sob suas diferentes dimensões: disponibilidade, acessibilidade, adequação, soberania alimentar, capacidades nutricionais e elementos estruturais de etnia e gênero.

O segundo capítulo, escrito pelo pesquisador Leonardo Melgarejo, contém uma análise técnica e política do tema, expondo as causas e os impactos da expansão do uso de pesticidas.

Melgarejo é engenheiro agrônomo, mestre em Economia Rural, doutor em Engenharia de Produção e colaborador da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida.

Padrão na atuação das corporações

“Observa-se em todos os países uma uniformização de tendências, associadas ao papel reservado à América Latina como produtora, principalmente de transgênicos, mas do agronegócio em geral”, disse o pesquisador.

“A distinção entre os países é meramente a velocidade com que isso ocorre”, acrescentou, durante o evento de lançamento do relatório.

As consequências desse processo são amplificadas por manobras como mudanças nos critérios de toxicidade e tentativas de flexibilizar as leis protetivas.

“A dependência dos direitos de patentes leva a uma crescente influência do interesse empresarial sobre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Isso se traduz em populações de insetos e plantas que já não se controlam”, alertou Melgarejo.

“Há uma seleção negativa que expande o problema e que leva à abertura de mercado para novas gerações de plantas geneticamente modificadas e transgênicos”, completou.

:: Bem Viver na TV destaca os 10 anos da campanha nacional contra os agrotóxicos ::

O terceiro e último capítulo é de autoria de Juan Carlos Morales González, médico e diretor executivo da Fian na Colômbia. O autor enfatizou as dificuldades do Estado para fazer frente ao agronegócio e listou alternativas.

No lançamento, González ressaltou que os Estados estão violando tratados internacionais de direitos humanos e suas obrigações.

“Há grande cumplicidade dos nossos Estados com a expansão do uso de agrotóxicos e com as violações de direitos associadas”, disse. “Essa cumplicidade se materializa na fidelidade ao modelo agroexportador, espoliador e destruidor da vida, e na conveniência suspeita com corporações do setor.”

Entre as consequências desse processo, estão a perda de soberania, colapso ecológico, danos à saúde de trabalhadores, aumento da dependência de importação de alimentos e remoção de comunidades rurais.

Divisão internacional do trabalho

Uma das alternativas propostas por González é ampliar a pressão sobre os países fabricantes de veneno, para ao menos evitar que as substâncias tóxicas mais perigosas sigam sendo comercializadas sem nenhum tipo de debate ético.

Outro apelo foi pela criação de uma rede internacional de proteção a cientistas, ativistas e organizações sociais que denunciam os efeitos negativos dos agrotóxicos e sofrem ameaças constantes.

Um dos casos mais recentes é o de Larissa Bombardi, pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), que decidiu deixar o país em março após sofrer ameaças.

Comentários para "Estado é cúmplice do avanço do agrotóxico, diz relatório sobre Brasil e mais 7 países":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório