×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de outubro de 2021

Entenda a história recente do Afeganistão e veja o que dizem mulheres do país sobre o Talibã

Entenda a história recente do Afeganistão e veja o que dizem mulheres do país sobre o TalibãFoto: Mariscal / AFP

A capitã da seleção afegã de basquete em cadeira de rodas, Nilofar Bayat, chega na Espanha após deixar Cabul.

Arturo Hartmann E Thales Schmidt - Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 23/08/2021 - 08:47:56

A história recente do país é marcada pela violência de invasões de potências estrangeiras

Após serem afastados do poder pela invasão dos Estados Unidos em 2001, o Talibã voltou ao poder do Afeganistão agora em meados de agosto. O retorno ocorre após uma série de acontecimentos relevantes: um acordo em 2020 com os EUA, a fuga do então então presidente do país, Ashraf Ghani, para os Emirados Árabes Unidos e a ofensiva do Talibã para tomar a capital, Cabul.

A velocidade do avanço do grupo extremista surpreendeu os EUA / Infográfico: Pedro Vó

Antes do mais recente acontecimento no conflito, a Guerra do Afeganistão deixou cerca de 171 mil mortos. Entre as vítimas fatais estão mais de 47 mil civis. O custo financeiro também foi elevado, os Estados Unidos gastaram US$ 2,26 trilhões em suas operações no Afeganistão e também no vizinho Paquistão. Esta cifra não inclui os gastos que os EUA são obrigados a ter de maneira vitalícia com os veteranos do conflito. Os dados são da Universidade de Brown, do projeto “Custos da Guerra”.

Quase duas décadas de conflito vitimaram civis, militares e insurgentes. / Infográfico: Pedro Vó

Além da invasão estadunidense, tropas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) estiveram no país de 2003 até 2014. Países como Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Polônia, Portugal e Espanha contribuíram com militares para a guerra, seja por meio da OTAN ou por esforços independentes.

Leia também: Afeganistão pode ter "implicações de longa duração" para Biden, diz partido socialista dos EUA

Talibã quer dizer “estudante” em afegão. O grupo surgiu entre os mujahidin, combatentes islâmicos, que enfrentaram a invasão da União Soviética ao Afeganistão, de 1979 até 1989. Nesse período, os mujahidin, espécie de embrião do Talibã, receberam apoio financeiro e logístico dos Estados Unidos. Veja a linha do tempo detalhada abaixo:

A história recente do Afeganistão é marcada por invasões de potências estrangeiras / Infográfico: Pedro Vó

Direitos das mulheres

Após sair vencedor da guerra civil que expulsou os soviéticos, o Talibã governou o Afeganistão de 1996 até 2001. Nesse período, houve a aplicação de uma interpretação radical do Islã. Mulheres eram obrigadas a usar burca, impedidas de estudar e trabalhar, e só podiam estar na rua acompanhadas de um homem de sua família.

De acordo com a ONG Human Rights Watch, o "Ministério da Aplicação da Virtude e Supressão do Vício" foi um dos braços do governo mais poderosos nesse período e era responsável por aplicar as regras de comportamento do Talibã. Tocar música e assistir televisão eram atividades proibidas.

Em 2021, o grupo afirma publicamente que mulheres poderão trabalhar e estudar de acordo com as leis da Sharia, espécie de direito islâmico.

"A questão das mulheres é muito importante. O Emirado Islâmico está comprometido com os direitos das mulheres dentro das regras da Sharia. Nossas irmãs, nossos homens têm os mesmos direitos. Elas poderão se beneficiar de seus direitos. Eles podem ter atividades em diferentes setores e diferentes áreas com base em nossas regras e regulamentos: educação, saúde e outras áreas. Elas trabalharão conosco, ombro a ombro conosco. A comunidade internacional, se ela tiver preocupações, gostaríamos de lhes garantir que não haverá discriminação contra as mulheres, mas é claro dentro das estruturas que temos. Nossas mulheres são muçulmanas. Eles também ficarão felizes em viver dentro de nossas regras da Sharia", afirmou Zabihullah Mujahid, porta-voz do Talibã, em coletiva de imprensa após a tomada de Cabul.

:: "Mulher afegã não precisa de salvador, mas de mudanças materiais", diz pesquisadora ::

Mulheres afegãs que trabalharam nos últimos 20 anos fizeram protestos no país e pedem que o Talibã as incluam no governo, de acordo com o site de notícias afegão Tolo News. O Brasil de Fato falou também com a pesquisadora indiana Nivi Manchanda, especialista em Afeganistão. Veja abaixo:

A volta do Talibã ao poder desperta temores pelos direitos das mulheres / Infográfico: Pedro Vó

E agora?

De volta ao poder, o Talibã agora governa um Afeganistão de 38 milhões de habitantes e um PIB de US$ 19,2 bilhões, de acordo com dados do Banco Mundial. Em 2001, o país tinha 21,6 milhões de habitantes e um PIB de US$ 4 bilhões.

:: Lideranças europeias discutem como lidar com o novo regime talibã no Afeganistão ::

O futuro do país passa pelo tabuleiro da política internacional. Após o próprio presidente dos Estados Unidos Joe Biden admitir que o ritmo do avanço do grupo extremista ocorreu mais rápido do que o previsto, a China declarou que respeita os desejos e escolhas do povo afegão e espera uma transição pacífica do Talibã.

O tema também foi tratado pelo Conselho de Segurança da ONU, onde o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, pediu “unidade” da comunidade internacional e disse existirem "relatos assustadores de severas restrições aos direitos humanos".

A Rússia, por sua vez, declarou por meio da porta-voz de sua chancelaria que o Talibã no poder "é uma realidade" e que o grupo "está demonstrando uma tendência ao diálogo e estão abertos a considerar os interesses do povo afegão, inclusive os direitos das mulheres."

Edição: Daniel Lamir

Comentários para "Entenda a história recente do Afeganistão e veja o que dizem mulheres do país sobre o Talibã":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Tiffany diz que Tandara 'errou nas palavras' e minimiza novas declarações

Tiffany diz que Tandara 'errou nas palavras' e minimiza novas declarações

Tiffany voltará às quadras na próxima terça-feira, para o segundo jogo da decisão do Campeonato Paulista, em Barueri

Tandara critica mais uma vez a presença de transexuais: 'Minha opinião não muda'

Tandara critica mais uma vez a presença de transexuais: 'Minha opinião não muda'

Em 2018, eu dei uma entrevista, inclusive eu estava aqui em Osasco, quando eu disse que não concordava.

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

Chefe da OMS (à dir, em pé) recebe a família de Henrietta Lacks para uma homenagem na sede da agência.

Mostra ajuda a limpar estigmas e dá profundidade à Carolina Maria de Jesus

Mostra ajuda a limpar estigmas e dá profundidade à Carolina Maria de Jesus

A mostra tem entrada gratuita com agendamento prévio pelo site do IMS.

PSB vai ao STF contra Plano de Segurança de Bolsonaro que exclui feminicídio

PSB vai ao STF contra Plano de Segurança de Bolsonaro que exclui feminicídio

O PSB lembra na ação que, sem uma classificação particular, os feminicídios e as mortes causadas por violência policial vão sofrer um apagão de dados, o que dificulta a definição de políticas públicas para proteger os grupos vulneráveis.

Maria Ressa e o prêmio Nobel: A luta contra fake news é a luta pela democracia

Maria Ressa e o prêmio Nobel: A luta contra fake news é a luta pela democracia

Jornalista Maria Ressa foi condecorada com o Nobel da Paz em 2021; prêmio também foi concedido ao russo Dmitry Muratov -

''Renascer' me fez crescer muito', diz Adriana Esteves

''Renascer' me fez crescer muito', diz Adriana Esteves

A novela exclusivamente rural, que caiu no gosto do público, entrou agora para o catálogo da Globoplay e a partir desta segunda, 11, poderá ser assistida em edição completa - são 126 capítulos.

Dia Internacional da Menina reforça necessidade de acesso às ferramentas digitais

Dia Internacional da Menina reforça necessidade de acesso às ferramentas digitais

Divisão digital impacta empregabilidade, saúde reprodutiva e autonomia corporal de mulheres

Marieta Severo conta que as sequelas da Covid-19 prejudicam o seu trabalho

Marieta Severo conta que as sequelas da Covid-19 prejudicam o seu trabalho

Além da sua doença, Severo enfrentou ainda um AVC do marido, Aderbal Freire. A veterana de 74 anos disse que voltar a gravar novela tem ajudado a superar esse período desafiador.

"Nunca quiseram nos escutar, então criamos um ambiente nosso, de acolhimento", diz slammer

Vencedora da Final Gaúcha de Slam, Tiatã conversou com o Brasil de Fato RS sobre a arte das batalhas de poesia das ruas

Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DF

Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DF

Não nos matem