ContextoExato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de maio de 2018

Querem legalizar o incesto

Querem legalizar o incesto

O Setor Juvenil do Partido do Povo Liberal Sueco foi mais além e defendeu a legalização do incesto e da necrofilia – sexo com cadáveres

Por Miguel Lucena* - 21/08/2017 - 08:37:30

Último dos tabus, o incesto – a relação entre pais, filhos e irmãos – é o próximo passo dos que se denominam “modernos” para suprimir a “dor” e o “sofrimento” da humanidade.

Freud detectou um mal-estar na civilização causado pelos limites impostos às pulsões humanas, o que é efetivado pela aplicação do Direito, que obriga a todos.

O mal-estar se expressa nas neuroses, psicoses e distúrbios diversos, tornando-se cada vez mais agudo na medida em que os seres humanos inventaram de edificar o Céu na Terra, substituindo a fé e o medo no divino pela busca da felicidade a qualquer preço.

Quem sai na frente do desmazelo é o Conselho de Ética Alemão, ao propor a legalização do sexo entre pais e filhos e entre irmãos, a partir da prisão de Patrick Phil, morador de Karlsruhe, Sul do país, por manter relações e ter quatro filhos (dois deficientes mentais) com sua irmã, Susan. O advogado do réu considerou que a punição violava direitos humanos fundamentais do acusado. “O mais importante”, disse o Conselho, “é a autoderminação sexual das pessoas”.

O Setor Juvenil do Partido do Povo Liberal Sueco foi mais além e defendeu a legalização do incesto e da necrofilia – sexo com cadáveres. Os jovens pedem a revogação de várias leis para tornar consensual a relação entre irmãos acima da idade legal de 15 anos, bem como permitir que as pessoas “deixem como herança seus corpos para relações sexuais depois da morte, sem o temor de que os perpetradores sejam processados”.

No filme “Pecados Inocentes”, uma mãe, representada pela atriz Julianne Moore, vive um caso de incesto com o filho, um menino menor de 14 anos.

No Brasil, a lei penal não pune o incesto, mas o sexo com menor de 14 anos, classificado como estupro de vulnerável. A lei civil pátria, no entanto, não reconhece a relação incestuosa, mas já se percebem, aqui e acolá, movimentações nesse sentido.

É preciso ter cuidado com algumas modernidades. A sociedade regredirá à barbárie se os freios morais que garantem a nossa sobrevivência como humanos forem suprimidos. Corremos o risco de um dia começarmos a andar enganchados pelo sexo como os cães, pelas ruas.

*Miguel Lucena é Delegado de Polícia Civil do DF e Jornalista.

Comentários para "Querem legalizar o incesto":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório