ContextoExato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de maio de 2018

Planalto repudia atitude do ministro Luís Roberto Barroso

Planalto repudia atitude do ministro Luís Roberto Barroso

Chefe da Segov, Carlos Marun publicou vídeo nas redes sociais em defesa do diretor-geral da PF

Correio Braziliense - 12/02/2018 - 12:41:33

Apesar de as declarações do diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, sobre a investigação a respeito do decreto dos portos que envolve o presidente Michel Temer, ter gerado uma enxurrada de críticas de entidades e parlamentares, a atitude não teve muita ressonância no Palácio do Planalto. Em entrevista à agência de notícias Reuters, o diretor teria dito que a tendência era de arquivamento do processo por haver indícios muito frágeis. A publicação motivou uma intimação por parte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, relator do inquérito que investiga se Temer recebeu vantagens da operadora do Porto de Santos Rodrimar, para que o diretor preste esclarecimentos.

Aliados do presidente Michel Temer saíram em defesa de Segóvia. Em um vídeo publicado nas redes sociais, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, diz estranhar a “celeuma”. “Já assisti dezenas, talvez até centenas de entrevistas de delegados, de promotores a respeito de inquéritos em andamento. Por isso até estranho essa celeuma que se estabelece no momento em que o diretor-geral da Polícia Federal verbaliza o óbvio: que num inquérito aonde não existem provas, não existem indícios, que não existe sequer a materialização do ato ilícito, tenha a tendência de ser arquivado”, disse Marun. No Palácio do Planalto, as atitudes do ministro Luís Roberto Barroso foram mais questionáveis do que a de Segóvia. Eles estranharam a atitude “dois pesos, duas medidas” do magistrado, alegando que o Ministério Público e a Polícia Federal falam de investigações em curso sem apresentar provas para acusar pessoas e não são questionados. “Nunca vi o Supremo pedir esclarecimentos nesses casos”, comentou um assessor palaciano. Reedição Na tarde de ontem, Segóvia negou novamente as declarações e a agência Reuters reeditou o texto no site. “Afirmo que, em momento algum, disse à imprensa que o inquérito será arquivado. Afirmei, inclusive, que o inquérito é conduzido por equipe de policiais com toda autonomia e isenção, sem interferência da direção-geral”, disse, em nota. Segóvia deve se encontrar com o ministro Barroso na semana que vem para esclarecer a situação. A Reuters, por sua vez, na alteração do conteúdo, trocou o verbo “afirmar” por “indicar” ao qualificar as declarações de Segóvia, e fez a seguinte ressalva aos leitores: “Esclarece que Segóvia disse que até o momento não há indício de crime no caso, indicando, em vez de afirmando, que a tendência é de que a PF arquive o caso”. Durante o sábado de carnaval, entidades e parlamentares publicaram notas de repúdio à declaração de Segóvia. A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal disse que “nenhum dirigente deve se manifestar” sobre investigações e a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais afirmou ser “temerário que a direção-geral emita opiniões” sobre inquéritos. » Temer em Roraima Preocupado com o agravamento da situação em Roraima, por causa do aumento da entrada de venezuelanos no Brasil, o presidente Michel Temer decidiu interromper o carnaval em família e vai hoje a Boa Vista, onde se reunirá com a governadora de Roraima, Suely Campos. Como a situação ficou ainda pior depois da decisão da Colômbia de fechar a fronteira com a Venezuela, Temer verificará que medidas poderão ser tomadas para solucionar os problemas criados pela imigração em massa. “Não dá para esperar o carnaval terminar. A situação é dramática. Precisamos entrar com uma forte ação federal para ajudar o estado e os municípios de Roraima”, afirmou o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen

Comentários para "Planalto repudia atitude do ministro Luís Roberto Barroso":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório