×
ContextoExato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de agosto de 2018


No carnaval da criatividade. Orgulho tropicalista

No carnaval da criatividade. Orgulho tropicalista

O brasiliense não poupou energia para criar e confeccionar as mais inusitadas fantasias. Super-heróis, personagens da Disney, ciganas e nomes históricos ganharam as ruas da capital federal no terceiro dia de folia

Por IRLAM ROCHA LIMA - Correio Braziliense - 13/02/2018 - 09:33:30

Divinas Tetas presta homenagem aos 50 anos da Tropicália e arrasta 7 mil pessoas no Setor Bancário Norte. No total, os blocos do Plano Piloto reuniram, no terceiro dia do carnaval brasiliense, 23 mil pessoas

O tempo bom ajudou a tornar o Divinas Tetas um dos blocos mais concorridos do carnaval brasiliense em 2018: agitação com Podres poderes, Reconvexo e Expresso 2222

Provocação e sensualidade chamam a atenção no bloco com três anos de folia


Os diversos gêneros musicais marcaram o penúltimo dia do carnaval em Brasília. Sob sol intenso, o público de 23 mil pessoas, espalhadas pelo Plano Piloto, se divertiu ao som de bandas e trios elétricos, que mesclaram as tradicionais marchinhas e frevos com sucessos contemporâneos do rock, da música eletrônica e do axé. As crianças tiveram um espaço reservado com a estreia do Pintinho de Brasília.

Um dos mais novos blocos do carnaval de Brasília, o Divinas Tetas, em seu terceiro ano de folia, mostrou que veio para ficar. Ao recriar músicas marcantes da rica e extensa obra de Caetano Veloso e Gilberto Gil, de outros tropicalistas e dos Novos Baianos arrastou, na tarde de ontem, 7 mil pessoas para o Setor Bancário Norte, segundo a Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social.

Além da competência dos 14 músicos da banda, o que chama a atenção no Divinas Tetas — o nome vem da canção Vaca profana, composta por Caetano para Gal Costa — é a identificação dos foliões com o repertório. Pessoas de diferentes faixas etárias, com entusiasmo e alegria, fizeram coro para clássicos como Podres poderes, Reconvexo, Menino do Rio, Bat macumba, Andar com fé, Expresso 2222, Toda menina baiana e Preta pretinha. Todas com uma levada dançante.

O bloco que estreou em 2016, no Setor Bancário Sul, onde voltou a se apresentar no ano passado, mostrou que está consolidado ao ser acompanhado por seus seguidores na mudança de local e ao celebrar o cinquentenário da Tropicália. A festa teve como tema Intergalático — Nave Tetas e quatro horas de duração.

A designer Debora Nogueira, 29 anos, não se surpreende com o crescimento do Divinas Tetas: “Já na estreia impactou com a ousadia de sua proposta, acolhida por foliões que curtem um dos mais importantes legados da MPB, com a assinatura dos tropicalistas. Vejo com naturalidade o crescimento do bloco, resultado da adesão cada vez maior do brasiliense.”

Quem também acompanha o Divinas Tetas desde 2016 é o engenheiro civil Hugo Tollini, que, fantasiado de padre, caiu na farra na companhia da namorada e de um grupo de amigos. “Durante um bom tempo passei o carnaval no Rio de Janeiro. Mas, com o crescimento da folia aqui na cidade, deixei de viajar nesse período. O surgimento do Divinas Tetas contribuiu para isso”, contou. Estreante no bloco, a professora de inglês Luiza Lodder foi levada pela amiga e estudante de medicina Arlinda Gomes. “Estou adorando tudo, o bloco, a banda, as músicas e a vibração das pessoas, num clima bem legal. Foi um belo presente que me proporcionou a Arlinda”, festejou.

Gustavo Bertoni, vocalista do grupo de rock Scalene, disse que estava alí para prestigiar os músicos da banda, que são seus amigos. “O trabalho deles, ao rearranjar clássicos da MPB e tendo a percussão como base, é muito interessante”, afirmou.


Qual é o melhor de Brasília?

Os mais de 2,5 milhões de foliões esperados para este Carnaval de 2018 não só poderão escolher entre os 136 blocos, cadastrados pela Secretaria de Cultura, para curtir a folia, mas também votar nos preferidos. Pelo terceiro ano consecutivo, o Correio Braziliense premiará os grandes destaques da festa candanga com o Troféu #CBFolia2018. Na primeira edição, Galinho de Brasília, Baratona e Suvaco da Asa receberam o prêmio por terem sido os blocos mais votados pelos leitores. O Babydoll de Nylon recebeu o troféu concedido por uma comissão julgadora do jornal. No segundo ano, a premiação foi para os blocos Babydoll de Nylon, Eduardo e Mônica e Raparigueiros, com menção honrosa ao Divinas Tetas. Para este ano, os três melhores blocos serão novamente escolhidos por voto popular, realizado por meio de uma enquete. A votação on-line segue até 14 de fevereiro pelo site www.correiobraziliense.com.br/carnaval2018. Outra condecoração, a de Destaque do Carnaval de Brasília, será concedida por uma comissão formada por integrantes do Correio. Nessa categoria, uma festa, uma performance, um momento ou até mesmo uma fantasia poderão levar o prêmio. Participe e poste nas redes sociais utilizando a hashtag #CBFolia2018. Que vençam os mais animados! Patrocínio: Big Box.
 

Comentários para "No carnaval da criatividade. Orgulho tropicalista":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório