×
ContextoExato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de julho de 2018


Esteatose Hepática: Uma doença muitas vezes negligenciada

Esteatose Hepática: Uma doença muitas vezes negligenciada

A esteatose hepática atinge boa parcela da população (23 % de adultos americanos - National Health and Nutrition Examination Survey

Por Dr. Rafael Coelho - Folha De Pernambuco / Foto: Pixabay - 06/04/2018 - 19:55:43

O consumo de produtos alimentícios/industrializados cresce principalmente em países em desenvolvimento e uma das grandes consequências disso é o surgimento de uma doença silenciosa, mas que tem uma evolução natural fatal: Esteatose Hepática. 

O fígado é um órgão imunológico no qual o seu sangue entra em contato com células capazes de realizar uma limpeza do excesso de poluentes, metais pesados e outras substâncias que penetram em nosso organismo. De fato, este órgão é capaz de eliminar toxinas prejudiciais à sua saúde. Além disso, existem muitas outras funções, como a produção de proteínas sanguíneas, colesterol e a metabolização de medicamentos. Sendo assim, é preciso um cuidado especial e hábitos bem direcionados para que a saúde deste órgão esteja conservada. 

A esteatose hepática atinge boa parcela da população (23 % de adultos americanos - National Health and Nutrition Examination Survey). Este problema consiste no acúmulo de gordura nas células do fígado, o que eleva a produção de citocinas inflamatórias com aumento da oxidação local por radicais livres. 

As maiores causas são o uso excessivo de açúcar refinado e gordura saturada. O açúcar a mais é convertido em gordura, depositado nas células. Este problema cresce ao lado de outra doença muito conhecida: Obesidade. 
Adicionados as causas temos o sono de baixa qualidade e problemas intestinais, que leva a absorção aumentada destes nutrientes piorando a doença como um todo. Tudo isso aumenta ainda o fator de risco para outras doenças metabólicas como o Diabetes Mellitus. 

Mesmo assim, esse problema é negligenciado por grande parte da população, mas a longo prazo isso pode ser bem mais sério, pois a sua evolução natural é a cirrose e câncer hepático. 

A melhor maneira de se combater a esteatose hepática é com uma alimentação bastante equilibrada, associada a exercício físico, além dos cuidados com sono e controle do estresse. 

Essa foi a dica de hoje. Siga-me nas redes sociais e fique sempre atualizado com informações sobre saúde e bem-estar. Obrigado e até o próximo encontro.

*Rafael Coelho (CRM: 23943/PE) é médico pós-graduado em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) e atualização em Prática Ortomolecular. Atende em consultório particular na Clínica de Estética Contornare, no Recife. Atua nas seguintes áreas: Performance Esportiva, Distúrbios Metabólicos, Emagrecimento, Hipertrofia, Longevidade, Bioimpedância. É Diretor da Comissão de Saúde e Performance da Federação Estadual de Fisiculturismo (IFBB-PE). 

Comentários para "Esteatose Hepática: Uma doença muitas vezes negligenciada":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório