×
ContextoExato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 20 de julho de 2018


Doenças transmissíveis entre pets e humano; quais cuidados você deve tomar

Doenças transmissíveis entre pets e humano; quais cuidados você deve tomar

A prevenção e a informação ainda são os melhores remédios para nossos pets

Por 24horasnews / Foto: Pixabay - 28/03/2018 - 12:25:08

Cuidado consciente. Eles são membros da nossa família que tratamos com muito carinho e amor, mas, é necessário que tenhamos cuidado com sua saúde, higiene e bem-estar. Dar banho regularmente, visitas regulares ao veterinário, vacinas, higiene do local onde o pet costuma ficar são só alguns itens básicos.

A prevenção e a informação ainda são os melhores remédios para nossos pets. Jose Roberto Souza Ribeiro, Diretor Técnico Veterinário da Health For Pet selecionou, então, algumas doenças e os cuidados que devemos ter com cada uma delas.

Micose: é uma zoonose causada por fungos que causam uma infecção fúngica, formando uma erupção em forma de anel na pele ou uma falta de cabelos no couro cabeludo. Vale lembrar que o fungo em si não provoca coceira, somente quando existe uma infecção secundária.Sintomas: mancha avermelhada na pele e intensa coceira. É importante saber que humanos também podem transmitir os fungos para seus pets e não apenas o contrário.

Leptospirose: zoonose transmitida normalmente por roedores que podem passar para cães e humanos acontece pelo contato com a urina do animal contaminado é causada por bactéria presente na urina dos ratos que contamina a água de enchente, lama etc. É transmitida às pessoas quando a pele com pequenas lesões entra em contato com locais e objetos contaminados. É uma doença grave que deve ser tratada de forma rápida e sempre sob a orientação de um médico. Alguns cuidados devem ser tomados para evitar o contágio: Não deixar comida em vasilhames destampados por muitas horas, principalmente durante a noite. Combater os ratos, não descuidar das vacinas dos pets e manter a higiene do local em que o animal fica.

Raiva: transmitida por mamíferos (gato, cachorro, morcegos hematófagos etc.) por meio de mordida. A raiva, embora seja uma doença bem conhecida da população, não deve ser menosprezada, já que causa a morte. O vírus encontra-se presente na saliva de animais infectados e rapidamente ataca o sistema nervoso central, causando uma doença no cérebro seguida de morte. Os sintomas são muitos parecidos com de outras doenças, como por exemplo: febre, dor de cabeça e fraqueza. Portanto, ao associar uma mordida aos sintomas acima, deve-se procurar auxílio médico. Prevenção: é muito importante que seu cachorro seja vacinado já que a doença não tem cura e leva a morte.

Sarna Sarcóptica: transmitida por cães, gatos, coelhos e cavalos é causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei, um parasita que provoca machucados na pele do animal e das pessoas. Este ácaro penetra a epiderme e provoca coceira e inflamação. Os sintomas são pele avermelhada, erupções cutâneas, queda de pelos, crostas na pele e escoriações (por se coçar em excesso). Para evitar esse tipo de contágio é importante que evite o contato dos pets com outros cães, gatos, coelhos, cavalos e humanos e que os animais tomem banho a casa 15 dias. O banho não mata a sarna, mas mantém a higiene do animal.

Doença de Lyme: pode causar uma febre recorrente e calafrios, é provocada pela bactéria espiroqueta Borrelia burgdorferi transmitida por carrapatos presentes em animais domésticos. Além da febre, ela também provoca coceira intensa, manchas vermelhas ou esbranquiçadas na pele, que que pode ser notado a partir do quinto dia após a infecção. Outros sintomas podem ser fadiga, dores musculares, dor de cabeça e aumento de volume dos gânglios linfáticos. De acordo com o Ministério da Saúde e da Agricultura a Doença e Lyme não existe no Brasil.

Febre Maculosa: transmitida pela picada do carrapato Amblyoma cajennense, conhecido como carrapato estrela ou carrapato de cavalo, o contágio se dá pela bactéria Rickettsia ricketsii e os seus sintomas aparecem a partir de 4 a 6 horas a partir da fixação do carrapato na pele. Seus sintomas podem ser confundidos com de uma gripe, o que agrava um breve diagnóstico da doença e tardia o tratamento correto, já que muitas vezes as pessoas não procuram por cuidados médicos e assim agravam o quadro da doença, chegando até mesmo ao óbito. Febre alta, dores de cabeça e dores musculares – acontecem de forma rápida em humanos e além do aparecimento de manchas róseas nas extremidades, como punhos, tornozelos, pescoço, palmas das mãos e solas dos pés.

Paloma Cleante Gonçalves é Médica da Health for Pet. Graduada em Veterinária pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), tem vasta experiência profissional em Clínica Geral e Cirurgia de Pequenos Animais, atuou na área de Cardiologia no Hospital Veterinário Público de São Paulo como estagiária e no Aquário de Guarujá em Silvestre no setor de avaliação Clínica e Reabilitação.

Jose Roberto Souza Ribeiro é Diretor Técnico Veterinário da Health For Pet, graduado em veterinária pela Universidade de Alfenas – MG, especializado em Fisioterapia Veterinária pela Universidade do Tennessee e pela Universidade Metodista. É sócio proprietário Centro Veterinário Pet Plus e desde 1993 acumula experiência com clínica, cirurgia e fisioterapia de pequenos animais.

Comentários para "Doenças transmissíveis entre pets e humano; quais cuidados você deve tomar":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório